Emicida faz música em homenagem a Wilson das Neves

Atualizado em 09/01/2016

Emicida e Wilson das Neves

A sorte tá do nosso lado!  Já vimos a união de nomes da nova e velha geração do RAP Brasileiro dar muito certo. Agora, imagina juntar um dos grandes nomes da atualidade com uma lenda viva, não do RAP, mas da música brasileira como um todo? Pedrada!

Se você conhece um pouco da carreira do Wilson das Neves, cê vai perceber uma certa peculiaridade: a rima do Emicida é toda baseada em nomes de sons da lenda.

Entretanto, o rapper conseguiu arranjar suas opções de uma maneira que pareça realmente com uma música e não simplesmente os nomes, jogados.

A verdade é que por mais que o Emicida tenha mandado muito bem nas rimas, o destaque da música é, sem dúvida alguma, o instrumental. Não somente a produção por si só, mas também a forma como ela acompanha a letra de maneira impecável.

– Faça o download oficial da música “Ô, sorte!”.

A sorte é toda nossa mesmo! Emicida e Wilson das Neves elevaram a barra e a torcida é para termos mais encontros bons como esse e, de preferência, com outros rappers inclusos.

Abaixo cê confere a letra da música:

Letra: (Achou um erro? Ajude-nos a corrigi-lo nos comentários!)

Simples, tipo um traço de giz
Querida, Lupiciniana, jóia perdida
Sabe, soberana a passear
Ensinamento, engano, fundamento, folha no ar
Resto de dor, amor da minha vida
Minha trajetória, meu labor, minha lida agora
Ei, Bebete vambora, que fiz uma rima aí
Praquele moço do samba Tropi
Sério, honra, velha guarda do império
Orra, tentação para matar o mistério
Pois, tava faltando você no dia
Pra por a poesia nos braços do amanhecer
Pra gente fazer mais uma samba sozinho
Tipo, “Grande hotel”, sei lá, “Taça de Vinho”
Na cena, dançar tipo o bisavô Madalena, jão
Que, aliás, seria o nosso anfitrião
Não, avisa geral
Que quem compôs, Mestre Marçal mandou dizer
Que o dia em que o morro descer e não for carnaval
Ninguém vai querer ver o desfile final
Olha, felicidade de povo que só rebola
Às vezes, é de um passarinho de gaiola
Partido do tempo, do algoz
Hoje, corrupção sob panos, debaixo de um cobertor
Mas, o orgulho brasileiro fez um samba para Ciro Monteiro
E, eu fiz um RAP pra ti, sem assédio
Só reverência, meu bom, és referência
Certeza, o samba é o seu dom
Lembrou moeda, reza e cor, tá ligado?
Obrigado, seu Wilson, por fazer o seu som sagrado
Moeda, reza e cor, tá lembrado?
Obrigado, seu Wilson, por fazer o seu som sagrado

Obrigado, seu Wilson, por fazer seu som
Obrigado, seu Wilson, valeu, meu bom
Obrigado, seu Wilson, por mostrar seu dom
Obrigado, seu Wil-son

Ó que firmeza, ó que firmeza, deixa eu falar
Na bateria, com ele não há quem possa
Ô, sorte! A sorte é toda nossa..

seja o primeiro a comentar

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.