Na véspera das eleições, Oriente lança “Dando nome aos bois”, música sobre a política brasileira

Atualizado em 08/01/2016

Não se fala em outra coisa senão as eleições por todo País. Pra marcar esse momento tão importante, o Oriente lançou no último sábado (4) a música “Dando nome aos bois”, que conta com a produção musical do Forage.

O som não é tanto sobre este domingo, mas 100% voltado à política brasileira. Com o mote “Coragem pra falar o que ninguém fala”, o grupo, mais especificamente Nissin, versa usando o nome de vários políticos, de maneira direta e indireta, neste caso com a transformação de nomes ou sobrenomes em substantivos ou adjetivos, etc.

Pra reforçar as críticas, ainda rola uma espécie de lyric video dirigido pelo Thiago Ferreira com imagens e depoimentos sobre vários problemas do Brasil referente ao governo e às autoridades em geral.

Faça o download oficial da música “Dando nome aos bois”.

“Dando nome aos bois” ainda conta com baixo e violino do Bruno Silva, mixagem do Ronaldo Lima e masterização do Luiz Café; a música integrará o novo disco do Oriente, intitulado “Yin Yang”.

Abaixo cê confere a letra da música:

O Eduardo está em Paes desde que era Garotinho
O Fernando teve Collor pra salvar os nossos filhos
Zé Dirceu, Sarney, Nader em Serra isso
Getúlio nas horas Vargas não pensava em suicídio

Difícil achar um que Prestes na nação brasileira
Cabral se banha embaixo, Dilma Cachoeira
ACMergência, ACMinência
Indica um estado de Jaderpendência

Defesa civil, Sérgio na Yamaha
Mestre em dar voltas nos prédios da Barra
Porque no Brasil, corrupção é Genoíno
No Palócio do Planalto Nagi Narra Pinheirinhos

Depois de Dantas mentiras, de tucanos e petistas
Isso calha pra Calheiros, governo e oposicionistas
Todos tão do mesmo lado, todos são da mesma firma
Eles negam até a morte e você aperta CONFIRMA

Ninguém vai ser meu juiz, pois não há discernimento
Tá na hora de alguém justo ter poder no julgamento
NO PAÍS DA SAIA JUSTA E DO DINHEIRO NA CUECA
quem faz cara de santinho na real é quem mais peca
NO PAÍS DA SAIA JUSTA E DO DINHEIRO NA CUECA
corrupção é uma fonte e parece que não seca
NO PAÍS DA SAIA JUSTA E DO DINHEIRO NA CUECA
vejo no Brasil inteiro, mas Brasília é a MECA

Na tribo do Pajéfferson o que vale é Valério
Foi pro céu só Daniel, porque incomodou o império
Nem todo Cavalcanti é humorista Severino
O povo é aéreo e o Império é Marinho.

Beira mar é uma gota, ignoramos o oceano,
isso vem do americano e do Russomano
O país não quer um Bastos e sim um BASTA!
O que não falta é valete pra completar os canastras

Maluficou rico, esses nunca rodam
Porque em São Paulo ele e Pita bordam
Quem teme não deve, mas quem deve Temer
Demóstenes porque existe a PM

Juiz Lalau dos Santos
Bispos não vão pro xadrez
Macedo 500 anos Crivela do português
PC também faria dinheiro no Bolsonaro
Não adianta pedir Arruda quando vir o mau olhado

Da Figueira de Figueredo não Delúbio os galhos
Kubitschek cheque mate seus adversários
Médici os Quadros pelo Castelo Branco,
pois no meio da tortura nem o Itamar é Franco

Ninguém vai ser meu juiz, pois não há discernimento
Tá na hora de alguém justo ter poder no julgamento
NO PAÍS DA SAIA JUSTA E DO DINHEIRO NA CUECA
Quem faz cara de santinho na real é quem mais peca

NO PAÍS DA SAIA JUSTA E DO DINHEIRO NA CUECA
Corrupção é uma fonte e parece que não seca
NO PAÍS DA SAIA JUSTA E DO DINHEIRO NA CUECA
Vejo no Brasil inteiro, mas Brasília é a MECA

seja o primeiro a comentar

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.