Nada pode parar o D2, por isso ele continua dizendo a mesma coisa…

Atualizado em 08/01/2016

CD Nada pode me parar, do Marcelo D2

Difícil saber que vai ter o lançamento de um CD do Marcelo D2 no ano e não esperar pra ver o que vai sair. Se for somar o tempo do Planet Hemp e da carreira solo são o quê, 20 anos na corrida? É um tipo de referência por experiência que é importante ouvir, ainda mais quando o RAP Brasileiro está num momento de grande destaque aos novos nomes; ainda mais quando D2 possui uma estrutura monstruosa, pra, musicalmente, fazer o que quiser, digamos.

Sem contar o marketing. Convenhamos, a época do lançamento do CD foi ótima, o rapper já estava em alta com a volta do Planet, os fãs foram de embalo. A loja temática também foi de uma ideia digna de aplausos. Em uma época que diversos artistas tão disseminando sua mensagem de forma massiva através de produtos além do CD, um nome do tamanho do D2 não poderia ficar de fora. Se a loja “caminhar” pelo país mesmo como foi anunciado, novamente, digna de aplausos!

Voltando à parte importante desta publicação que é a música, ok, não podemos dizer que Marcelo D2 não arriscou: trouxe revelações do RAP pras participações, trouxe artistas gringos, misturou vários estilos de batidas e até fez algo mais calmo e de amor, coisa que ele próprio havia dito que não pensava em fazer, na “Feeling Good“. Arriscou na produção, nas participações, na “volta ao RAP” depois de vários anos arriscando no samba; faltou arriscar nele mesmo.

É claro que Marcelo D2 continuar sendo Marcelo D2 não é de todo ruim, nem mesmo no sentido musical. Afinal, ele chegou onde chegou, alcançou o respeito que alcançou, por qualidade própria. Entretanto, é indiscutível que se esperava muito mais deste trabalho; pessoalmente, ouvi durante 15 faixas um resumo das rimas utilizadas durante os outros álbuns do rapper. Qual a diferença entre “Pilotando o bonde da excursão”, do “À procura da batida perfeita”, e “Vou por aí“?

Nenhuma. Até na “Eu já sabia“, que pra mim é a melhor música do trabalho, destacam-se o Sain e a jogada do 2 em 1 com o Ponto de Equilíbrio, embora é válido dizer que o D2 termina seus versos com uma punchline louca. Aconteceu tanta coisa nesse tempo que o D2 ficou sem lançar um CD novo de inéditas que me soa bizarro uma música chamada “A cara do povo” trazer o “dig, dig, dig” e a maconha como destaque, independente da validez da causa.

É óbvio que a cobrança aqui tem o mesmo peso que teve na publicação sobre o CD do Gabriel o Pensador: espera-se muito mais de dois dos maiores representes do RAP Brasileiro perante o “resto” do país. Nem tenho problema com o egocentrismo e a “marra”, até acho louco quando o rapper, principalmente aquele que saiu de várias dificuldades, bate no peito e fala: “olha de onde a gente saiu, olha onde a gente chegou”. Agora, falar isso da mesma maneira durante todos esses anos, é frustrante.

Claro, o CD não é ruim. Tem várias ideias da hora, tem uma empolgação boa de ouvir e a “Você diz que o amor não dói“, particularmente, tem uma pegada bem diferenciada, o refrão e tudo o mais. Entretanto, não são suficientes; queremos mais de alguém que é considerado um dos mais influentes rappers do Brasil.

Alguns disseram que o D2 se manter o mesmo é algo bom, significa que ele se manteve fiel ao que disse, mas não é bem assim. Manter-se fiel aos seus discursos não significa dizer sempre a mesma coisa. É só ver que o rapper canta a vida, canta o que ele vê, vive e sente. É impossível que ele não tenha tido novas percepções do mundo nos últimos anos. Ainda mais pra alguém que percorreu tanto do mundo.

Não questiono a qualidade, nem a representatividade, muito menos a história do D2 no RAP Brasileiro. Pelo contrário, é por saber e ser a favor disso tudo que digo o que disse.  Não quero que ele pare, de fato, nada pode pará-lo, mas se ninguém desviar um pouco o seu rumo, não sei se aguento ouvir mais uma música com a rima “samba” e “bamba”…

VEJA 10 CURIOSIDADES QUE VOCÊ PRECISA SABER DO CD.

LEIA O FAIXA A FAIXA DO CD FEITO PELO PRÓPRIO D2.

 

Nada pode me parar – Marcelo D2

  1. MD2 (A sigla no tag)
  2. Danger Zone (part. Aloe Blacc)
  3. Eu já sabia (part. Sain & Helio Bentes)
  4. O RAP
  5. Livre (part. Like (Pac Dive))
  6. Você diz que o amor não dói
  7. Fella (part. Shock (Start), Batoré (Cone Crew) & Akira Presidente
  8. A cara do povo
  9. Felling Good (part. Joya Bravo)
  10. Madame Bonfume
  11. Está chegando a hora (Abre Alas)
  12. Eu tenho o poder
  13. Rio (Puro Suco)
  14. 4:20
  15. Na veia
  16. (Vou por aí) Beatz pelo mundo

Um comentário

  1. Avatar
    jason
    27/06/2013
    Responder

    exelente matéria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *