Dilma se pronuncia sobre morte de adolescente: “violência contra a periferia é a manifestação mais forte da desigualdade no Brasil”

Atualizado em 07/11/2013

Nesta terça-feira (29), Dilma Rousseff se pronunciou sobre a morte de Douglas Rodrigues, de 17 anos, ocorrida no último domingo (17).

Além de prestar sua solidariedade à família e amigos da vítima, a presidenta também falou sobre a violência contra a população periférica: “Assim como Douglas, milhares de outros jovens negros da periferia são vitimas cotidianas da violência. A violência contra a periferia é a manifestação mais forte da desigualdade no Brasil.”

Embora um comentário por parte de uma autoridade de tamanha grandeza a favor da vítima e não do agressor seja favorável, parece “muito pouco, muito tarde”; como a própria Dilma relata: “são vítimas cotidianas”.

Assunto muito debatido no Hip Hop Brasileiro, o genocídio periférico já havia sido comentado nesse mesmo domingo, na 6ª Mostra Cultural da Cooperifa, pelo Edi Rock.

“Tá acontecendo um erro grave, que já existiu nos anos 90 e está voltando. Estamos nos matando. Além do extermínio praticado pela polícia, nós estamos nos matando”, comentou o rapper ao Periferia em Movimento.

Entretanto, no caso de Douglas, o possível assassinato foi cometido pelo soldado Luciano Pinheiro, de 31 anos, que alegou disparo acidental; o policial militar foi “autuado em flagrante por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, e permanecia preso na tarde desta segunda-feira”, relata o G1.

De acordo com testemunhas, o disparo, ocorrido na Vila Medeiros, na Zona Norte de São Paulo, foi feito de dentro do carro, sem explicação alguma. Segundo a mãe da vítima, ele teria perguntado ao policial: “Por que o senhor atirou em mim?”.

Ainda de acordo com a matéria, “moradores colocaram fogo em ônibus e em lixeiras e agências bancárias foram danificadas”, em protesto à morte. O policial deve seguir “preso administrativamente”, até que o caso seja concluído.

Confira na íntegra o que disse Dilma Rousseff:

 

 

 

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *