O Vai Ser Rimando já passou por diversas fases, como eu já comentei tantas outras vezes por aqui. De 2012 a 2014, quando era focado em notícias e informações relacionados ao hip hop, cheguei a fazer mais de 10 publicações por dia.

Nos últimos meses, considerei uma vitória conseguir manter uma média de uma publicação por mês. No entanto, mesmo com uma quantidade de publicações significativamente menor, o site continua recebendo visitantes novos – 95% das visitas ao site nos últimos 3 meses são novos usuários.

É claro que o número de visitantes totais em relação à época de 10 publicações por dia é absurdamente menor, mas era de se esperar que sem muitas novidades, os novos posts atraíssem poucos novos usuários e que, a maioria, viesse revisitar algum tipo de informação pré-adquirida ou matar a nostalgia de um tempo bom de suas vidas no rap.

Por que o grande número de novos visitantes então? Por causa dos sites de busca! Sites como o Google espalham seus “robôs” pela Internet pra ler as páginas e catalogar o conteúdo automaticamente. Assim, quando você busca praticamente qualquer coisa nesses sites, você recebe uma vasta quantidade de resultados.

Ou seja, mesmo que eu tenha publicado pouco recentemente, não é difícil encontrar publicações antigas do site quando você busca por determinados termos no Google. Por exemplo, se você procurar por “rashid o justo”, a publicação de 2016 aqui do site, “Rashid definitivamente faz justiça ao seu nome“, é uma das primeiras a aparecer.

Quando você tem um site próprio, você pode editar os títulos e descrições das suas páginas – entre outros fatores – para que elas apareçam melhor nas páginas de busca quando alguém procurar por algum termo que faz sentido para o seu trabalho. Isso é o que chamamos de SEO (Search Engine Optimization ou Otimização para mecanismos de busca).

O mesmo não acontece com publicações em redes sociais, por exemplo. Embora você possa até achar facilmente um perfil/página que tenha aquele título específico ou algo muito próximo daquilo, você dificilmente encontrará uma publicação em alguma rede social que traga algo relacionado ao que você buscou, a não ser que você busque o que foi dito letra por letra.

E isso pode não parecer um problema quando é algum fã seu que procura seus trabalhos; ele conhecerá o nome de suas músicas e poderá buscar facilmente na Internet. As próprias redes sociais possuem buscas internas para seus conteúdos. Porém, quando foi a última vez que você buscou um conteúdo novo na busca interna do Facebook?

Se você é um rapper, especialmente um com pouco poder de investimento, qualquer “novo usuário” que descubra o seu trabalho faz uma diferença enorme. E uma ótima forma de fazer isso acontecer, como ressaltei, é facilitar pra que as pessoas te encontrem quando buscarem no Google. Por isso, ter um site próprio é uma das principais dicas de divulgação que eu posso dar a qualquer rapper.

Claro, se você tem o seu som no Youtube, Soundcloud ou Spotify, por exemplo, você será facilmente encontrado por alguém que digitar o nome da música. A sua página no Facebook e perfis do Instagram e Twitter serão facilmente encontrados quando alguém digitar o seu vulgo. A sua letra no Genius rapidamente aparecerá quando alguém buscar aquele refrão marcante que ouviu na rua.

No entanto, você provavelmente gostaria que todo mundo encontrasse o seu trabalho e não só quem já conhece ou foi diretamente recomendado. No seu site, além do seu vulgo no título, das suas músicas e letras, você pode ter publicações em um blog, por exemplo, com notícias sobre lançamentos e participações, assim como outros tantos conteúdos que você queira falar sobre.

Muitos rappers são bem ativos no Twitter, por exemplo, criando grandes threads com informações relevantes sobre um tema. Isso é incrível e ajuda bastante a espalhar o nome do rapper naquela rede social. No entanto, às vezes, esse conteúdo é tão relevante que se tivesse disponível em uma página do site talvez fosse encontrada por uma quantidade muito maior de pessoas.

O mesmo vale para as letras. Além de ela estar na íntegra no site, pode haver também uma publicação com mais explicações sobre o tema em questão, destrinchando as linhas e facilitando que pessoas que tivessem buscando sobre aquele tema encontrem a sua música.

Ao trazer esse conteúdo extra em seu site, você pode “cobrar” dos visitantes um e-mail para que estes possam receber as novidades direto em suas caixas de entrada. Existem vários serviços de e-mail – até gratuitos, como o MailChimp – para enviar Newsletters e afins para diversos contatos ao mesmo tempo.

Assim, você estreita os laços com seus fãs – e até mídia ou contratantes, dependendo dos e-mails que quiser enviar – sem custos adicionais, diferente das redes sociais que você tem que investir uma grana em impulsionamento pro seu post chegar a todos que já optaram por te seguir.

É uma ótima estratégia de recompensa para manter o seu conteúdo livre a todo custo. Por exemplo, você coloca no seu site um aviso de cadastro para receber as novidades por e-mail; quando você fizer um lançamento, você divulga o link para o seu site – digamos, para um post completo com toda história do trampo e as formas de consumi-lo.

As pessoas que curtirem terão uma tendência maior a se inscreverem pra receber as próximas novidades. Com esses contatos, você pode divulgar seus trampos de uma maneira mais direta e até outros produtos que você venha a produzir. Só o fato de criar uma proximidade maior com seu público já é um ganho.

Fora que você também poderá controlar o que estão dizendo sobre você. Se você depender de terceiros para falar por você, sobre seus lançamentos e afins, a informação pode se perder ou facilmente ser distorcida. Você pode até ir à sua rede social preferida explicar melhor as coisas, mas, como já disse, é muito difícil isso ser encontrado ou visitado depois, no futuro, quando novos usuários estiverem procurando por isso.

Será que aquele site de notícia que divulgou a informação de maneira incorreta parará tudo que está fazendo para publicar as suas correções ou algo do gênero? Com um site próprio, você tem, pelo menos, uma chance maior de que a informação correta sobre você chegue a um número maior de pessoas.

Eu sei, parece um trampo gigantesco, isso porque é mesmo… Especialmente porque você precisa ter um cuidado bem grande com essa lista de contatos, a maneira com que vai se relacionar com cada um deles, que tipo de conteúdo enviar, como enviar, com que frequência, etc.

No entanto, embora eu acredite que você pode tirar muito mais de um site do que parece, talvez seja trabalhoso demais pro seu momento atual e também custoso demais pagar alguém para manter essa lista ativa, com mensagens frequentes e conteúdo sendo gerado no site para atrair mais e mais contatos.

De qualquer modo, um site próprio funciona muito bem como um agregador de informações a seu respeito a um clique de distância. Em vez de direcionar as pessoas que querem saber mais sobre você àquela única entrevista que você deu na vida e ter outros tantos links para músicas novas e shows agendados, você tem um link só pra tudo isso.

Além do quê, no caso de um site próprio, quando alguém entra pela biografia, pode acabar ficando pelos sons e querendo saber quando terá um evento próximo da sua casa.

Existem inúmeras razões pra você ter um site próprio e bem poucas para não tê-lo. Muita gente fala da dificuldade, mas com os WordPress, Blogspot e até mais recentemente Wix da vida, é praticamente só ler, seguir algumas instruções e deixar a criatividade te levar.

E o custo? É possível ter algo online em poucas horas e gratuitamente com esses mesmos serviços que já citamos, bastante simples. Talvez, você precise gastar uns trocados por mês para ter a liberdade e acessibilidade de uma hospedagem e domínio próprios, mas é um custo baixíssimo pelas possibilidades que se abrem para a divulgação do seu trabalho.

Não perca mais nenhum post!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*