Brasil tem mais de 11 milhões de favelados, revela IBGE

Favela
Depois de uma pesquisa recente mostrar que apenas 1,6% dos moradores de favelas possuem ensino superior completo,  agora é a vez pesquisas mostrarem quantos moradores residentes em favelas existem atualmente no Brasil e reforçar a ideia de profunda desigualdade social perpetuada em nosso país.

Segundo dados divulgados pelo IBGE de uma pesquisa nomeada Aglomerados Subnormais na última quarta-feira, o país possuía cerca de 3,2 milhões de domicílios em áreas à margem das regras do planejamento urbano em 2010, equivalendo a um número próximo a 11.425.644 de pessoas.

De acordo com a pequisa, a denominação “aglomerado subnormal” remete a “uma área ocupada irregularmente por certo número de domicílios, caracterizada, em diversos graus, por limitada oferta de serviços urbanos e irregularidade no padrão urbanístico“.

É um conjunto de no mínimo 51 unidades habitacionais carentes, em sua maioria de serviços públicos essenciais, ocupando ou tendo ocupado, até período recente, terreno de propriedade alheia (pública ou particular) e estando dispostas, em geral, de forma desordenada e densa.“, diz o trabalho.

A pesquisa foi aplicada no País inteiro, mas em 323 municípios foram detectados aglomerados subnormais“, segundo Maria Amélia Vilanova Neta, técnica da Coordenação de Geografia do IBGE. As Regiões Sudeste e Nordeste é onde se concentram a maior parte dos domicílios em aglomerados subnormais,de acordo com pesquisadores do IBGE.

O trabalho realizado apontou nas cidades analizadas, 6.329 aglomerados subnormais – para fins estatísticos, reuniram os dados de 15.868 dos cerca de 317 mil setores em que o País foi dividido para o Censo 2010. Isso não quer dizer que não haja moradias precárias em outros municípios, mas que apenas nos primeiros sua quantidade foi suficiente para se enquadrar nos critérios de pesquisa do IBGE.

Os perfis de moradia traçados mostram que 77% dos domicílios dessas áreas de moradia informal, precária, pobre e/ou com serviços precários ficavam, em 2010, em Regiões Metropolitanas com mais de 2 milhões e habitantes. O IBGE descobriu ainda que 59,4% da população de aglomerados subnormais estava em cinco RMs: São Paulo (18,9%), Rio de Janeiro (14,9%), Belém (9,9%), Salvador (8,2%) e Recife (7,5%). Outros 13,7% acumulam-se em outras quatro RMs: Belo Horizonte (4,3%), Fortaleza (3,8%), Grande São Luís (2,8%) e Manaus (2,8%). Essas nove RMs abrigam 73,1% da população de áreas informais identificadas na pesquisa.

Atualmente cerca de 6% da população brasileira mora em regiões de aglomerados subnormais demoninados favelas, sendo Belém a cidade com o maior número de habitantes residentes em favelas, com um número de 53,9%.

Com informações de Estadão.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *