10. “A importância disso”, do Zap-san

Diretor: Vras 77
Álbum: A importância disso | 2014

Com uma pegada humorística no estilo Coyote e Papa-léguas, Zap-san valoriza o corre ao simbolizar todos obstáculos percorridos pra chegar no objetivo.

A produção é de impacto, com várias localidades e cenas bem trabalhadas.

9. “Malandragem é viver”, do Thaide

Diretor: Coletivo Benzin
Álbum:

A mensagem é poderosa. Thaide critica a “malandragem” normalmente atribuída na quebrada ao criminoso que paga de superior porque é o bandidão do morro. O que não é perceptível para estes é que sua família tá sofrendo ao redor e que o fim costuma ser trágico e antecipado.

No final das contas, a gente acaba se matando e o chefão, aquele que realmente fez com que isso acontecesse, sai impune. A visão do engravatado sorrindo às custas da morte dos outros é sempre foda…

8. “Embriaguez”, do Jotace Rhazec

Diretor: João Leão
Álbum: Lírico & Laboral | 2015

Ao falar sobre crescer sem a mãe, Jotace Rhazec toca num assunto delicado que, devido às circunstâncias, torna-se duas vezes mais emocional; ele não fala apenas na saudade e na tristeza da ausência, mas também na inconformabilidade de tê-la perdido por algo tão banal quanto o consumo de álcool.

As imagens reforçam todo cunho sentimental que o som desperta. Numa triste, mas calculada ironia, o MC se encontra num bar, bebendo pra esquecer um problema ocasionado pela própria bebida.

7. “O mundo em mim/Se encontrar”, do AXL

Diretor: Bruno Cons
Álbum: A vida de Axel Alberigi: Antes de tudo | 2014

AXL voltou depois de quase dois anos sem lançamentos. E ele não voltou pra brincadeira. Muito mais que dois sons, trouxe duas pancadas que deram o que falar, amplificadas pela ótima qualidades das filmagens.

Na primeira, AX olha pra dentro de si e mostra um pouco dos demônios interiores que tem lidado ultimamente; a corrida solitária como se quisesse escapar de algo, mesmo que seja de si mesmo, traduz isso de maneira brilhante.

Na segunda, ele olha pra fora e se coloca na cena numa lista com Mano Brown e Marechal, mesmo citando todas as adversidades que deveriam o impedir de conseguir algum sucesso.

6. “Fruto da mente”, do Luis Cilho

Diretor: Fábio Allon
Álbum:

De maneira brilhante, Luis Cilho questiona o abismo que muitas vezes pode existir entre o que a gente imagina que está acontecendo e o que está acontecendo de verdade.

No caso explorado, questiona-se a brutalidade não apenas das ações policiais como da nossa própria sociedade que condena jovens a serem perseguidos por não terem o que comer.

O clipe vai além da mensagem poderosa e traz uma produção de muito alto nível; a escolha por mostrar tudo em câmera lenta foi arriscada, mas uma ótima ideia pra valorizar ainda mais o suspense do inteligentíssimo roteiro.

Não perca mais nenhum post!

2 Comments

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*