Acredito que esta tenha sido uma das resenhas mais difíceis de serem iniciadas. Primeiro, porque são tantas coisas pra falar que simplesmente não sabia por onde começar. Segundo que o trabalho começa de uma maneira tão intensa que você, ao fazer uma representação do mesmo com sua opinião, sonha em fazer algo parecido. Não dá; desisti e resolvi juntar umas palavras.

Gil Scott Heron é abrir com chave de ouro; é o primeiro indício de que Gugu não iria se preocupar muito com os padrões. Alguns poderiam argumentar que, musicalmente, é uma música sem muitos atrativos visto que é uma batida mais “simples” e um ritmo mais falado mesmo.

Exatamente o que, pra mim, torna o som incrível. Imagina o poder do conteúdo e da fala pra algo tão “simples” se tornar tão poderoso. Marcello traça uma linha histórica do Hip Hop, mais especificamente do RAP, e descreve a cultura não só nas citações de nomes que a construíram, mas principalmente nos valores que ela tanto cultiva: diversão, paz, união e principalmente amor.

“Pra eles, tanto faz se a gente se matar entre nós ou viciado em crack. Pra eles, foi um a menos; pra nós, foi Tupac” foi o suficiente pra sentir um frio arrepiante na espinha em plenos 35 graus de verão.

Aliás, Gil Scott Heron representa tanto o trabalho que duas de suas principais características se repetirão algumas vezes durante o disco: a valorização clara da palavra e a utilização de um personagem.

Quanto à primeira, podemos revê-la de forma mais destacada, por exemplo, nas faixas Indireta, Herói, Avião, Platoon e Santa Cruz. Skit é normal nos CDs de RAP, mas skit de 6 minutos é coisa de Marcello Gugu. Não só isso, em boa parte delas, ele abandona completamente a rima. RAP é ritmo e poesia, não ritmo e rima, lembra?

Quanto à segunda, ela aparece em dois formatos diferentes, mas se espalha praticamente pelo CD todo. Ou Gugu se coloca na pele de um personagem, como o próprio Hip Hop e a Batalha do Santa Cruz; ou o rapper cria a música inteira descrevendo um personagem/pessoa, como a sedução das gravadoras na Miss Hollywood, seu bairro na Ipiranga, mulheres revolucionárias na Evita, garotas de programa na Nomes de Menina, a morte em Linda de Morrer, um nordestino (ou o próprio Nordeste) migrando pra São Paulo na Herói.

– Gugu Genius: rapper explica e revela detalhes sobre músicas do “Até que enfim, Gugu!”.

Provavelmente, esqueci algum personagem, mas acredito que já posso concluir meu ponto nessa questão: em poucas vezes Marcello Gugu fala do “Eu” (sem ser na pele de um personagem), tão utilizado pela maioria dos rappers hoje em dia. A Kariri, que fala de bebida, é um perfeito exemplo disso. Entre expressões e conjugações dos verbos, o Diego Primo utiliza quase que uma vez por verso (não fiz a conta exata); Gugu vai usar sua primeira vez lá pro fim da sua estrofe.

O porquê disso? Eu não saberia dizer. A verdade é que rappers cantam a vida; cantam as coisas ao seu redor. A maioria utiliza suas próprias experiências (ou é isso que querem passar) para narrar as histórias. Enquanto muitos acham esse excesso de “eu” um problema, eu já acho que a facilidade do ouvinte em moldar sua história nas dos rappers “acerta” tudo.

Parece ser apenas uma decisão poética do Gugu (lembra o que eu falei sobre a fuga do padrão no começo?). Até porque, se cada um de nós tem uma verdade diferente sobre as coisas, o simples fato de o rapper contar aquelas histórias, daquela maneira, mesmo que sob o ponto de vista de um personagem, já conta um pouco de si e da sua opinião pessoal sobre o mundo ao seu redor.

Enfim, Marcello Gugu fez o que todo rapper deveria: não escondeu seus versos atrás de uma batida. Acredito que as batidas são fundamentais ao facilitar a penetração da música no mercado e, consequentemente, no ouvido de mais e mais pessoas.  No entanto, existem muitos MCs maquiando seus versos medíocres em ótimos beats apenas pra que o ritmo e algum refrão chiclete grude na cabeça e transforme aquilo num hit passageiro.

É claro que se você tirar as batidas das músicas do “Até que enfim, Gugu”, você vai ter um resultado completamente diferente, mas em nenhum dos sons vocês as vê o engolindo; batidas (em um RAP) precisam ser como uma linda paisagem em uma foto para destacar o que há de mais importante na passagem do rapper por ali: seus versos.

Neste caso, os versos irradiam uma força tão grande que se destacariam mesmo em uma foto apagada sem filtros do Instagram (pra continuar a metáfora). Entretanto, o rapper conseguiu reunir paisagens que amplificassem essa irradiação sem tomar seu espaço. Ele não foi à Torre Eiffel, ao Big Ben ou às Pirâmides do Egito; fotografou lugares simples que se tornaram pontos turísticos após a presença de seus versos.

Se uma foto vale mais do que mil palavras, quanto será que vale esse álbum (há!) do Marcello Gugu? Até que enfim, não, graças a (insira sua crença aqui).

– Faça o download oficial da mixtape “Até que enfim, Gugu”.

Até que enfim, Gugu! – Marcello Gugu

  1. Gil Scott Heron (prod. DJ Duh)
  2. Miss Hollywood (part. Drik Barbosa | prod. DJ Duh)
  3. Jimi (prod. Marcello Gugu)
  4. Ipiranga (prod. DJ Duh)
  5. Soldados (part. Lenda ZN | prod. Léo Cunha)
  6. Guerreiros andam só (prod. Marcello Gugu)
  7. Evita (part. Drik Barbosa | prod. Rodrigo Chiocki)
  8. Paris (prod. DJ Duh)
  9. Kariri (part. Diego Primo e Drik Barbosa | prod. DJ Duh)
  10. Nomes de menina (part. Garcez DL (prod. DJ Duh)
  11. Segundas intenções (Ui) (part. Leitty MC e Drik Barbosa | prod. DJ Duh)
  12. Cão (part. Filiph Neo | prod. DJ Duh)
  13. Deixa o tempo dizer (prod. DJ Caique)
  14. Indireta (skit) (prod. Jhow Produz)
  15. Meu anjo (prod. DJ Caique)
  16. Linda de morrer (part. Drik Barbosa e Marli Bortoletto | prod. DJ Duh)
  17. Herói (skit) (part. Sergio Ribeiro | prod. DJ Duh)

Bônus

  1. Avião (skit) (prod. Dhigo Beats)
  2. Beira D’Avenida (part. Flow | prod. KJ Beats)
  3. Deus abençoe (part. ORIgame e Drik Barbosa | prod. A.D. Beats)
  4. Platoon (skit) (prod. DJ Duh)
  5. Por linhas (prod. Léo Cunha)
  6. Santa Cruz (skit) (prod. Léo Cunha)

Não perca mais nenhum post!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*