Pensei em escrever este texto há alguns anos, quando por algum tempo parecia que o RAP Brasileiro era formado pelo Team Emicida e o Team Cabal, uma verdadeira palhaçada, se querem saber minha opinião (agora, em 2018, mais de 5 anos depois de publicar esse texto, eu percebo que ninguém quis saber).

A verdade é que muitas pessoas questionavam o fato de o Emicida não responder à diss, quando era cria das batalhas de MC, que pra essas pessoas eram como campeonatos de diss.

O tempo passou e eu acabei não escrevendo; a poeira baixou e não parecia mais relevante. Até que, há alguns dias, alguém levantou essa bola novamente, lembrei da vontade de escrever este texto e pronto, vamos lá. Talvez, continue não sendo relevante por não haver mais tanto essa questão sendo perguntada, mas só de ver que há alguém em dúvida, já é válido.

Para começar a explicar, é preciso defini-las:

Batalha de MC

Muita gente vai dizer que sabe o que é uma batalha afirmando que viu o filme 8 mile. Entretanto, assim como o RAP de lá é diferente do nosso, as batalhas também são. Enquanto lá, os MCs não se conhecem ou praticamente se odeiam e querem se matar, por aqui as coisas são mais, como eu posso dizer… politizadas? Além disso, não podemos desconsiderar o fato de 8 mile ser um filme, ou seja, a dramaticidade e a exploração do bem x mal são exageradas.

Enfim, normalmente, nas batalhas aqui do Brasil existe um respeito monstruoso entre os adversários. Mesmo se você não conhece o cara, o próprio clima que envolve um evento como esse te faz respeitá-lo. Por mais que exista muito bairrismo, é bem difícil um MC criticar veementemente o resultado do voto do público (que na maioria dos eventos é quem decide o vencedor). Além disso, existem regras do que você pode e não falar, muitas vezes desclassificando racismo, homofobia, xingar a mãe e algumas outras coisas.

Sem contar que uma batalha de MC é como um esporte (de preferência um de luta): o seu adversário sabe que você vai “bater” nele e ele sabe que vai ter que se virar a partir disso. Quando você aceita entrar na batalha, você, na maioria das vezes, sabe onde tá se metendo.

Ou seja, é bem normal humilhar e ser humilhado, mas acabar conhecendo diversas outras pessoas e fazendo uma pá de amigos…

Diss

Basicamente, uma diss é uma música (ou algo perto disso) que você faz criticando uma pessoa. Parece até poético, mas levando em consideração que não existem regras (além das leis do país) e disses normalmente são feitas pra ganhar uma disputa e não pra tocar na rádio, é bem provável que a coisa fique bem feia.

Pensa assim: você vai passar minutos/horas/dias da sua vida escrevendo coisas que você desaprova em pessoas que você não gosta. Depois você vai passar minutos/horas/dias da sua vida no estúdio gravando essas coisas. E por fim, você ainda vai passar minutos/horas/dias da sua vida divulgando isso tudo.

Minutos/horas/dias esses que você poderia gastar fazendo outra coisa, digamos… escrevendo uma música de verdade, quem sabe. Enfim, o tempo é seu e você gasta do jeito que quiser.

Eu, particularmente, adoro disses, adoro a zoação, a piada, desde que venha lá do RAP gringo. Porque pra mim, RAP gringo é uma diversão; RAP brasileiro é a nossa vida. A gente já sofre pra caramba pra conseguir que a mensagem chegue ao país todo e quando chega é um cara de “mimimi” pra cima do outro?

Críticas são importantes, mas chega pro cara e troca uma ideia, um telefonema, sei lá, agora para de ficar mandando música daqui e de lá que no final das contas quem perde é o RAP. Quer fazer diss? Faz diss pros políticos; tenho certeza que eles estão ferrando a sua vida muito mais do que o seu colega rapper (ou cantor ou qualquer artista que seja).

Muito bonito, mas cadê a diferença?

Até aqui, defini o que eu acho sobre as batalhas de MC e sobre as disses. Agora, chegou a hora de compará-las e mostrar que, por mais que superficialmente são bastante parecidas, elas não têm muito a ver uma com a outra, não.

Como eu falei, uma batalha de MC é um esporte. Quando você entrou numa, você sabia que iam falar mal de você, da roupa que você usa, etc. Numa diss, não. Imagine que a batalha de MC é o UFC e a diss é uma briga de rua (o que é bastante irônico, porque disses acontecem em estúdios e batalhas de MC, normalmente, na rua).

Não acha que uma coisa é muito diferente da outra ainda? Imagine a diferença entre entrar num ringue por vontade própria e estar andando na rua e, de repente, tomar uma garrafada na cabeça.

Você não pediu aquilo, não aceitou aquilo, você simplesmente não está a fim de gastar seu tempo com aquilo, mas agora que alguém resolveu te atacar, você vai precisar, querendo ou não, lidar com isso.

Agora que você entendeu… o quê? Você não entendeu ainda? Você é o cara que normalmente dá a garrafada nos outros? Bom, tudo bem (na verdade, não… para com isso!), tenho uma outra explicação um pouco mais pesada, mas muito mais fácil de entender e é só uma frase:

Batalha de MC está para diss, assim como sexo está para estupro.

Superficialmente, são a mesma coisa, mas, na real, não poderiam existir coisas mais diferentes.

Não perca mais nenhum post!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*