Acredito que não seja novidade para ninguém que ontem, no dia mundial do Hip Hop, o Rael na cia. de Emicida, Marechal, DJ KL Jay e Fernandinho Beatbox soltou a segunda parte da “O Hip Hop é Foda”.

E como já se esperava de um som com todos esses reunidos, os caras chegaram pesado.

Como vocês já sabem a parte 1 da faixa, lançada oficialmente em setembro do ano passado, foi inspirada na “A Bossa Nova é Foda” de Caetano Veloso, tendo uma construção bem familiar a música do cantor da MPB.

Em compensação a parte 2 vem em outra pegada, obviamente assim como na música de Caetano com a Bossa Nova e na parte 1 com o próprio Hip Hop, a reverencia ao estilo é o principal tema.

O som é repleto de referencias a nomes do Hip Hop. No primeiro verso do Rael ele lembra de Sabota e de Bambaata por exemplo, o Emicida cita Kokada e Dina Di, que infelizmente já nos deixaram, e nos últimos versos Rael lembra de uma galera que vai de Nelson Triunfo ao Pentágono.

Se me falassem para resumir as duas versões eu diria que a primeira soa mais como uma “oração” ao Hip Hop, enquanto a segunda chega como uma verdadeira celebração dessa cultura que há anos vem salvando vidas de manos e minas.

A produção da faixa ficou por conta do Marcos Xuxa Levy, que também produz o show do “O Glorioso Retorno” do Emicida; a mixagem é de Mauricio Cersosimo e a masterização de Carlos Freitas. As imagens do clipe são do Vras 77 e a edição foi do Lucas Valverde.

Abaixo cê confere a letra da música:

Ele é papel, caneta, é lição, som e letra
Ele é chão, é planeta, é visão de luneta
É locão tarja preta, é canhão, é Bereta
É os neguin de bombeta, ele é muita treta
É Sabota, é Bambaataa, é swingue da lata
É resgate, é escada, é a voz das quebrada
Ele é hey, ele é ho, ele é free, ele é show
Libertou, me mostrou quem eu sou, o hip hop é foda, jão

Deixa que digam, que pensem, que falem
Poucos caras viram além, quantos valem
Mas pra mim julgar não dá, sei lá qualé que pá
Lembra da escola, esquina, os mano, as mina tão num bom lugar
Brilham traços de Van Grog, Grog, a rua liga, Niggaz
Igual Kokada em cada lágrima irriga
Vi flores que lembram a saudosa, cabulosa Dina Di

O hip hop é foda
O hip hop é foda
O hip hop é…

Enquanto eles falam do que faz
Eu falo de fé, sinônimo de crença
A minha pra tá aqui, neguin? Sinônimo de imensa
Eles falam em evolução das rimas, né? Com licença
Evolução pra mim vai ser quando eu parar de rimar e falar com a presença
“Tu é pastor, é?” Sou, mas não de ovelhas
De leões livres, domador, mas só de orelhas
Falo o que me der no céu, pois minha casa é a rua
Não vou trair meu sol deixando eles botarem telhas

Cultura que eu vivo e motiva eu dar livro devido
Ainda ver tirar vários perdido do mundo iludido
Deixou eu tão munido que desde menino
Decidi que ser MC era o destino investi no meu ensino
e pra bom entendedor já tá tudo entendido
O rap é foda, mexe com ele perto de mim tu tá fudido

O hip hop é foda
O hip hop é foda
O hip hop é…

E quando o hip hop apareceu na minha porta
Prevaleceu, permaneceu na mente uma cota
Enriqueceu, fortaleceu a saudosa maloca
Enfraqueceu vários mo mo mo mo mo mo mo motha fucka
E eu me lembro da São Bento, oito anos tinha
Todo aquele movimento deu discernimento e linha
Que pra ser um MC não é só portar um microfone
Usar uns pano muito louco e ter um belo codinome
É pra mina, é pra homem, é pra quem, pra quem quiser
Seja lá você quem for, seja como estiver
Hip hop é uma cor, um amor, uma fé
Denuncia a injustiça e deixa em choque os gambé

O hip hop é foda
O hip hop é foda
O hip hop é…

Salve, salve, Nelsão, Neno e Duck Jam, Ataliba e a Firma
Os Gêmeos, Speto, Back Spin Crew, bboy Pelezinho
Pentagono, Xis, SNJ e a todos que fizeram essa parada tá onde tá hoje, certo

Não perca mais nenhum post!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*