Há alguns dias, já deve fazer umas duas semanas, o Cert, aquele integrante da Cone Crew Diretoria que não tem CPF, ou não tinha até pouco tempo atrás, foi preso como traficante por cultivar maconha em casa. Ele ainda está preso.

Muita gente vê essa questão como “é da Cone, tem que se foder mesmo” e só por não gostar do grupo acaba defendendo o que foi feito. Foda-se quem é o cara e o grupo que ele pertence, esta é uma questão muito maior que ambos. Por quê? Simplesmente porque a guerra às drogas é inútil e come uma imensa parte da grana que poderia ser usada, não sei, pra combater a corrupção quem sabe.

A guerra à maconha é ainda mais idiota quando já foi provado que ela chega a ser 144 vezes mais segura que o álcool, por exemplo, uma droga não só legal como idolatrizada. Mas, vamos além, vamos acoplar todo tipo de substância: por que eu deveria ser criminalizado por consumir qualquer coisa? É o meu corpo, não sou eu quem deve decidir o que é melhor pra mim?

“Ah, mas o seu consumo pode interferir de maneira negativa na vida das outras pessoas”. Sim, porque o fato de dirigir bêbado ser uma das maiores causas de mortes no Brasil impediu o álcool de ser comercializado, certo? Deixem de ser hipócritas, praticamente qualquer atitude sua pode interferir de forma negativa na vida de outra pessoa. Se eu não tiver te roubando pra comprar droga, eu vou tá te roubando pra comprar comida pros meus filhos ou um tênis novo. Qual a diferença no final das contas?

Como eu já havia dito em uma matéria anterior aqui no site, baseado no ótimo documentário “Cortina de fumaça”, “os únicos motivos para punição das drogas são políticos, financeiros e de conveniência pro governo, não pro povo. Ou seja, as leis da nossa democracia são muito mais totalitárias do que democráticas!”.

É inadmissível que tenhamos tantas provas de que a política contra as drogas é inafetiva e mesmo assim nada mude. Não estamos mais em 1997! E mesmo naquela época, quando o Planet Hemp foi preso, isso já era uma grande idiotice. Ainda mais se levarmos em consideração que o juiz que os prendeu foi afastado recentemente por ligação com o tráfico de drogas, mas isso pode ser apenas um caso isolado (ou não, né!?).

Isso não é sobre o Cert, muito menos sobre a Cone Crew. Isso não é nem sobre RAP. Isso é sobre o Brasil e suas leis injustas e eu imagino que isso deva importar a todos; ou pelo menos deveria. Segundo a lei, a pessoa que tem uma ou outra planta de maconha em casa é traficante. Segundo a lei, então, se eu tenho uma horta em casa, eu sou vendedor de alface.

Não to dizendo pra você usar drogas, não to dizendo que elas só trazem benefícios. Apenas defendo o direito de você usar o que for que você queira usar e, caso você faça alguma merda depois, você seja realmente julgado e realmente punido pela merda que fez, caso isso seja necessário (independente da droga que você usou, do remédio pra dor de cabeça ao crack, porque ao usá-la você assumiu o compromisso, você aceitou o contrato que dizia que aquela droga poderia lhe fazer fazer coisas que normalmente não faria).

É isso. E se “é melhor prevenir que remediar”, então, proíbam a compra de canetas e facas porque há gente matando por aí com esses materiais também; proíbam a venda de videogames porque há gente roubando pra comprá-los; proíbam a venda de celulares porque há gente causando acidentes no trânsito por causa deles.

Sérião.

Não perca mais nenhum post!

4 Comments

  1. Disse tudo irmão, as leis do Brasil ja estão mais que ultrapassadas e idiotas, e o que eu fico mais puto com isso é que eles sabem disso e não fazem absolutamente nada!! Mas ta ai, gostei da sua atitude. Tmj.

    • Exatamente! Até o Fernando Henrique Cardoso, que durante seu mandato ficou do lado da guerra às drogas, voltou atrás e agora faz campanha em prol da legalização. Pior do que não estarem fazendo nada pra mudar a lei é não estarem nem considerando essa possibilidade. É ridículo.

  2. Guilherme, seria uma boa se o site tivesse opção de compartilhar as manchetes nas redes sociais.

    Ótima matéria!

    • Salve, Fernando. Obrigado por ter lido e pelo elogio. Mas, aí, você pode compartilhar pegando o link e publicando na rede desejada. Assim, você pode ainda acrescentar um comentário próprio sobre o que achou. Valeu!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*