O acústico do Oriente com direito a regravação de Tupac

Não é de hoje que vemos o Oriente tentando inovar na cena. Pra 2014, os caras prepararam uma série acústica lindaça com dez vídeos, entre releituras do CD “Desorientado” e inéditas.

Gravada em Niterói, a apresentação ainda contou com convidadxs especiais e rolou até tempo pra mandar uma “Thugz Mansion”, do Tupac.

De acordo com o grupo, “esse projeto vem consolidar tudo o que foi construído nesses 5 primeiros anos de existência do Oriente, encerrando um ciclo e mostrando exatamente o tamanho do seu crescimento e amadurecimento artístico”.

Leia a publicação completa.

A prévia do primeiro CD do Marechal, que ainda não veio

Mais uma pra tag “Enquanto o CD não sai…”. Ao confirmar a presença da faixa “Iluminai nossos caminhos” no trampo mais esperado do RAP Brasileiro, Marechal também aproveitou pra dar uma prévia do mesmo e manter a ansiedade do público lá em cima.

Ao vivo, o rapper mais uma vez mostra o porquê de tanta gente o admirar musicalmente mesmo sem ainda ter lançado quase nada oficialmente.

Leia a publicação completa.

O suposto plágio do Criolo

Criolo

Quem tá na chuva é pra se molhar, já diria o outro. Nem um cara super reservado como o Criolo escapou das polêmicas em 2014. Mamão, compositor de “Tristeza pé no chão”, interpretada principalmente por Clara Nunes, acusou o rapper de plágio com a música “Linha de frente”.

A grande dúvida é, principalmente, em relação à primeira estrofe da original da Clara, que teria servido praticamente como molde para os versos do Criolo, de acordo com o compositor. “Realmente, é escandaloso o negócio. O cara gravou como se fosse dele!”, teria dito.

Alguns dias mais tarde, o rapper entrou em contato e a polêmica foi resolvida.

Leia a publicação completa.

A volta triunfal do AXL após quase 2 anos

Não é que AXL ficou quase dois anos sem lançar uma música inédita ou um clipe… Ele ficou quase dois anos sem praticamente aparecer, sem publicações em redes sociais, sem shows, nada.

Boom, ele voltou. E se isso já não fosse o suficiente pra chamar atenção, ele o fez de maneira triunfal, gerando inúmeros comentários positivos. Pra quem estava prestes a lançar um CD, foi uma benção: geral ficou no aguardo pra ouvir mais daquilo.

Mais tarde, ele lançaria “A vida de Axel Alberigi: Antes de tudo”, o primeiro da sua trilogia de discos.

Leia a publicação completa.

Inspirado pelo RAP, Aranha responde ao racismo

Aranha, goleiro do Santos

Agredido pela torcida do Grêmio com injúrias raciais, o goleiro Aranha conseguiu chamar a atenção das câmeras para os agressores. Mesmo claramente irritado no campo, Aranha foi extremamente racional em querer que os criminosos fossem flagrados.

“Eu tive a felicidade de aprender muito com o RAP”, contou ele ao Fantástico. “Como na periferia a gente ouve muito isso porque é aquilo que tá na nossa realidade, eu cresci preparado pra esse tipo de situação. Por isso eu não chorei, não fiquei abalado. Eu expus a minha revolta, fiquei com muita raiva, mas eu sabia que tinha que ser mais inteligente que aquele povo.”

Leia a publicação completa.

Não perca mais nenhum post!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*