Na última quinta-feira (3), a Laboratório Fantasma, selo do Emicida, publicou em sua página no Facebook uma nota de apoio às mulheres em relação à campanha “Eu não mereço ser estuprada”.

A campanha surgiu depois que uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) mostrou que uma boa quantidade de pessoas concordava com as seguintes frases: “se as mulheres soubessem se comportar, haveria menos estupros” e “mulher que usa roupa curta merece ser atacada”.

“Lamentável, deprimente, mas sem novidade: vivemos em uma sociedade machista, retrógrada e preconceituosa. A pesquisa é um fragmento deste retrato”, concluía a nota para então entrar no verdadeiro motivo da publicação.

Sem citar nomes, a nota questiona os MCs que, através de suas redes sociais, tentaram “justificar/’explicar’ aos fãs o discurso lamentável que orbita aquele raciocínio ‘mulher que usa roupa curta tá, sim, querendo ser estuprada'”.

A autora/o autor segue ressaltando a disparidade do discurso desses integrantes da cultura Hip Hop e o discurso do próprio movimento desde sempre, para então convidar à reflexão sobre o que estamos plantando (também título do texto).

“Onde estão agora os patrulheiros do hip hop, que se dizem o ‘rap’ na essência, tão bons pra fazer alarde, cheios de energia para se indignar e atacar o MC que vai à TV, grava com alguém ‘pop’, tem música na novela etc. Diante do preconceito contra a mulher, ficam ‘vendidos’ – palavra que essa ala adora?”, conclui.

Leia a nota completa na página da Laboratório Fantasma;
– RET afirma ser machista, mas apaga publicação “em respeito à causa feminista”;
– Lívia Cruz amplia debate sobre machismo: “Não é o RAP que é machista, o mundo que é”.

Em caráter informativo, vale lembrar que no ano passado o próprio Emicida esteve envolvido em uma polêmica com grupos feministas por causa da música “Trepadeira”, do CD “O glorioso retorno de quem nunca esteve aqui”.

Não perca mais nenhum post!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*