Na última terça-feira (4), Marshall “Eddie” Conway, ex-integrante do Panteras Negras, foi libertado após mais de 43 anos de prisão.

Em 1970, ele havia sido condenado à prisão perpétua por assassinar um policial e ferir outro, crimes pelos quais se dizia inocente.

Em 2012, a Corte de Apelações de Maryland decidiu rever casos anteriores a 1980; o motivo: as instruções dadas ao juri na época eram inconstitucionais.

Por exemplo, em um caso em que a acusação era obrigada a provar a culpa do réu de forma indubitável, a instrução pros integrantes do juri era de que eles podiam esquecer isso e tomar a decisão por conta própria.

Para o caso de Conway ainda outros dois fatores pesavam: a perseguição do programa de contrainteligência (COINTELPRO) que ficou conhecido por quebrar inúmeras leis civis e, segundo o advogado de defesa ao Democracy Now!, o juri não sabia da existência de um programa para neutralizar os Panteras Negras, ou seja, não poderia julgar com clareza se a acusação era válida ou apenas arranjada como parte do programa.

Na prisão, Eddie não deixou seu lado político. Montou o programa “Friend of a Friend” (“Amigo de um amigo”, na tradução livre) para auxiliar jovens, normalmente membros de gangues, a resolver conflitos e ajudou também a montar uma biblioteca para os presos.

Inúmeros outros acusados da época também foram soltos após as revisões.

Vi no Democracy Now!.

Não perca mais nenhum post!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*