Na última sexta-feira (31), a revista Fórum publicou uma entrevista que realizou com MV Bill e Dexter, no último dia 25 de janeiro, antes do show que ambos fizeram na programação de aniversário dos 460 anos da capital paulista.

Além de dar detalhes sobre o projeto e a música “Campo minado”, que será lançada na próxima segunda-feira (3), os rappers falaram um pouco mais sobre a parceria não só musical, mas de vida.

– ATUALIZAÇÃO: ouça a música “Campo minado”.

“Em nossas trajetórias, nos encontramos várias vezes, mas sempre dentro do sistema carcerário. Em 2004, fiz uma parada que eu não faria para mais ninguém. Saí do Rio de Janeiro, cheguei em Congonhas, encontrei um maluco no aeroporto e fui até a Penitenciária II, em São Vicente, onde passei o dia com o Dexter”, contou Bill. “Olha só, é uma amizade construída no sofrimento. A maioria das coisas que construí no sofrimento se tornou mais fortes, as parcerias desse tempo são mais fortes”, completou Dexter antes de explicar como conheceu o amigo e sempre o admirou.

Saiba mais:
Leia a entrevista completa;
MV Bill, Dexter e DJ Caique falam sobre “Campo minado”; rappers lançarão projeto homônimo;

Obviamente, os dois também foram questionados sobre política e as problemáticas periféricas, cada um se referindo mais especificamente aos seus estados.

“De ouvir esse nome, já me arrepio. A incompatibilidade é monstruosa. Repressão, opressão, violência nas ruas contra os pretos e pobres. Para mim, é um nazista do nosso tempo. Desse aí não quero falar muito, é isso, curto e grosso. Tenho ódio desse cara. Mano, fora Alckmin, impeachment. Urgente”, comentou Dexter sobre o governador de São Paulo. “Ele cometeu o erro de não oferecer políticas públicas com a mesma intensidade que o aparato social, o único braço governamental que nos chega é sempre a polícia. Isso nos aproxima mais de uma tragédia e de uma convulsão social do que uma pacificação”, completou MV Bill sobre o governador do Rio, Sérgio Cabral.

Sobre a polícia, principalmente no caso da PM de SP e das UPP no Rio, ambos foram bastante críticos, ressaltando os problemas já conhecidos do público. MV ainda foi um pouco mais fundo: “Ah, e na hora de treinar tiro ao alvo, para de colocar silhueta negra para os caras, eles levam isso muito a sério.”

“Onde está o Amarildo? E o tiro acidental do Douglas”, finalizaram o assunto em referência ao desaparecimento do servente de pedreiro da Rocinha levado pela PM do Rio e ao jovem da periferia que levou um tiro da PM de SP sem explicação alguma, que originou a campanha “Por que o senhor atirou em mim?”.

Os dois ainda falaram sobre a mídia, os projetos “Como vai seu mundo?” e “Cufa” e encerram cada um escolhendo uma música do outro. Dexter escolheu “Soldado do morro”, enquanto MV Bill escolheu “Oitavo anjo”.

Vi no site da Fórum.

Não perca mais nenhum post!

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*