Nesta quinta-feira (25), Emicida respondeu às críticas com uma longa publicação em seu Facebook, em tom de desabafo, contando sua trajetória no RAP e que representar a si mesmo em novela é motivo de orgulho.

O rapper não chegou a afirmar o motivo da publicação, mas através de suas palavras fica claro que as críticas que recebeu pela recém-confirmada aparição no primeiro capítulo da novela “Sangue bom”, da Rede Globo, foram a “inspiração”.

“E participar de uma novela no papel de Emicida só é mais um motivo de orgulho: eles perceberam que gente como noiz é interessante o suficiente pra estar na TV, não precisa encarnar nenhum personagem”, comentou o rapper.

Ele ainda aproveitou a oportunidade para relembrar uma série de críticas que já recebeu e até contou boa parte da sua carreira, principalmente com referências às épocas mais difíceis, quando dependia da ajuda de amigos pra destacar seu RAP.

“Aliás, tem um negócio engraçado, fiquei famoso, ganhei a Liga dos MCs no Rio graças ao Pedro Gomes, que pagou minha passagem. […] Gravei Triunfo graças ao Felipe Vassão, que me mostrou que eu tinha algo de valor nas mãos. Talvez se não fosse ele eu estaria indo nas batalhas de freestyle semanalmente até hoje e reclamando da falta de espaço que o rap tem”, explicou ele (aliás, Felipe Vassão está junto na produção do primeiro álbum do Emicida).

Em um momento em que o próprio Emicida torna-se o crítico de seus críticos, ele questiona o que os outros fizeram de tão bom para desvalorizar seu trabalho; o rapper ainda explica sua participação em algumas propagandas.

Foi por fama? Não, foi porque os pretos precisam aparecer de uma forma respeitosa, o rap precisa aparecer de uma forma que não seja caricata, em que reduzam nossa música e nossa história como sempre fizeram/fazem. Tentamos e conseguimos, hoje não se pensa mais em indústria cultural sem pelo menos se perguntar o que tem acontecido no rap. Quem jogou pedra fez o quê? Construiu o quê?

Com agradecimento a “Dina Di, DJ Primo, Sabotage, Niggaz, Van Grog e tantos outros que vimos falecer sonhando com um dia em que o hip hop teria mais visibilidade e respeito”, Emicida cobra de seus críticos que façam pelo menos metade do que ele e sua equipe fizeram para que suas críticas tornem-se relevantes pra ele. “Até então segue tudo sem novidade, quem é de trabalhar trabalha e o resto é resto”, encerra o rapper.

LEIA AQUI A PUBLICAÇÃO NA ÍNTEGRA.

Não perca mais nenhum post!

3 Comments

  1. Emicida está num patamar que não escuta ninguém, criticava tanto o Cabal por querer levar o rap pra mídia, chamava de vendido e agora? Tá realizando tudo o que o Cabal sonhava. MAs ele é muito mala pra admitir.

  2. Tem levado o rap a patamares antes inimagináveis… quem critica, de duas duas: não entende nada de música e nem de produção, o cara tá arrebentando.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.

*