Neste ponto, acho que todo mundo já viu ou ouviu falar da participação do Marechal no BBB, no show do Marquinho o Sócio. Em meio a críticas e elogios, o rapper comentou que não foi a convite da Globo e sim do próprio Marquinho, seu parceiro de longa data, não recebendo nem cachê algum da emissora. “A Globo não fazia ideia do que eu ia cantar”, disse ele.

Marechal chegou lá e cantou “Vamos voltar à realidade”, uma música que critica duramente a forma como as televisões conduzem a informação e ao Big Brother, retratado por George Orwell em seu livro “1984”. Muitos disseram que ele “foi ao inferno e cuspiu na cara do capeta”, frase que eu pediria pra pararem de compartilhar porque já ficou mais chato do que os Harlem Shake.

E o rapper ainda levou uns livros pra entregar pros BBB, como parte do seu Projeto Livrar, mas a emissora não deixou entregar, pois os participantes “não podem ter contato com o mundo aqui fora”. Enfim, a participação do Marechal foi marcante, sem dúvida, mas será que foi importante? Será que o RAP precisa realmente aparecer na TV?

Sim… e não! O RAP não PRECISA da TV, muito menos agora. Com a internet e todo avanço da tecnologia, o RAP não precisa da TV nem das gravadoras pra circular nacional e mundialmente. Entretanto, vale ressaltar que nem todo mundo tem acesso à internet como tem à televisão e, mesmo que tenha, não quer dizer que está seguindo o perfil desse ou daquele MC nas redes sociais ou vendo alguma notícia relacionada no tal site.

A TV ainda é um meio de comunicação muito forte, principalmente nas classes sociais com menos recursos financeiros. Geral não tem aquela grana sobrando pra sair de noite ou pra adquirir algum outro tipo de lazer e acaba ficando com a TV mesmo, principalmente nas noites. Mas então, por que o RAP não aparece mais na TV? Por que os fãs de RAP reclamam tanto da aparição de seus ídolos na TV?

Porque existe um preconceito e, como toda forma de preconceito, é uma idiotice. Só porque alguns artistas (de outros gêneros musicais também) mudaram seu jeito de pensar, sua música e suas opiniões por causa do dinheiro da TV (e das gravadoras), eles acham que aparecer lá é igual a se vender.

A TV é um meio de comunicação fortíssimo e ainda é um ótimo lugar pra difundir uma mensagem. O primeiro passo para a compreensão é assimilar que o problema não é ir na TV e sim o que você vai fazer lá, saber o motivo de você estar lá.

Essa entrevista toda do Eduardo é muito boa, mas principalmente ali, a partir dos 15min., ele fala sobre o assunto da TV. Fala de como a mensagem na TV chega facilmente na periferia; fala que se a gente (o RAP) não for à TV mostrar seus ideais, alguém com outros pensamentos vai lá e vai aumentar a alienação do povo.

Vender-se não tem nada a ver com ir à TV. Você pode se vender sem ir lá e ir lá sem se vender. O rapper que se vende é aquele que coloca um preço em seus valores. Ir à TV e cantar seu RAP, cantar os problemas da periferia, o problema do sistema, é importantíssimo. Só o fato de você ir na TV e se apresentar (desde que não se submeta a algo diferente do que pensa por dinheiro/exposição) mostra que é possível sair da periferia e vencer na vida de forma honesta, é levar um pouco mais de autoestima para o povo.

Na música “Mil faces de um homem leal”, Mano Brown diz: “Eu peço, leia os meus versos e o protesto é show“. Por favor, guardem esse verso! O show do Racionais transmitido pela MTV foi visto pelo Brasil todo. Muitos pediram um discurso do Brown, mas o próprio show dos caras é um protesto e tanto, um tapa na cara da sociedade. Cês já pararam pra ler as letras?

Sim, eu sei que pouca gente que vê RAP na TV fica prestando atenção no que o cara tá dizendo ou entende, mas os que o fazem já são um ganho. Se não me engano, no filme do Malcolm X eles retratam isso; mostram que se a mensagem dele chegar a uma pessoa dentre mil, é vitória.

E não tem nada melhor pra mensagem ficar guardada do que continuar indo lá. Vamos levar nossos clipes, nossas ideias e difundi-las pro Brasil todo, do jeito que a gente imaginava lá no começo. Eu sei, muitas emissoras/programas não vão permitir, vão querer censurar, vão querer mudar o que a gente vai dizer, mas nessas a gente dá um jeito, invade, canta nossa música, mostra a ideologia e solta no mundão através da internet. “Usar os meios sem deixar os meios usar nóiz“, já dizia o Emicida.

Quando souberam que o Marechal foi na TV, muita gente o xingou. Depois, voltaram atrás quando descobriram o que ele cantou lá. Costume besta de julgar uma notícia pela manchete, sem ir atrás do seu real conteúdo. Costume esse que as revistas, jornais, TVs e a própria internet aplicou na gente. Ainda assim, muita gente o criticou; desde que seja com embasamento, tudo bem. RAP é isso: é fazer perguntas, gerar dúvidas e ir atrás da real resposta.

A informação é a melhor arma para a revolução. Não aceite o que os outros dizem, vá atrás você mesmo dos fatos e tire suas próprias conclusões. Nada precipitado; pense duas, três, quatro vezes. Um erro seu, uma mensagem compartilhada de forma equivocada, pode gerar uma avalanche imparável (que é exatamente o que a TV fez com a periferia e o seu povo, compartilhando partes da mensagem para gerar uma forma de pensamento errada).

Lembre-se: a TV é só um meio, nunca um fim. É um meio de mostrar nossas ideologias pro Brasil inteiro de uma forma rápida e ampla, não o motivo de nossa luta. Não se deve fazer RAP pra aparecer na TV, mas sim usar a TV para o RAP aparecer para todos.

Não estou pedindo pra ninguém aplaudir as TVs, não estou defendendo nenhum rapper. A única coisa que eu quero é que, na próxima vez que cês virem um rapper na TV, antes de julgá-lo, se perguntem: o que ele foi fazer lá? que músicas ele cantou? ele teve espaço pra passar a mensagem? ele foi ridicularizado? ele se ridicularizou?

Sempre defendemos que a mensagem que o RAP carrega é bem mais valiosa do que a que a TV transmite, então por que não tomarmos o lugar dela? Se as pessoas que acreditam cegamente na TV estão se afundando nas mentiras que ela conta, por que não resgatá-las com o maior salva-vidas de todos?

Eu ainda acredito no dia em que as TVs irão cair e o RAP será mais valorizado. Eu ainda acredito que o Hip Hop será visto como uma cultura de idealizadores e revolucionários e não de bandidos, como é visto hoje. Desculpem a minha insistência e a minha mente fértil, mas, com toda alma e coração que o RAP me ensinou a usar, eu ainda acredito…

Não perca mais nenhum post!

Qual a sua opinião?

1 Comment

  1. Primeiramente preciso deixar uma coisa bem clara, que texto foda mano, muito loko.
    Agora meu, a sociedade é cheia de gente disposta a falar mal de tudo e de todos sem algum fundamento!
    É muito engraçado os caras falarem que os rappers se venderam e depois ir lá aplaudir os vendidos de verdade e cultuá-los no horário nobre em seu aconchego do cobertor e chocolate quente. HAHA

    Ah mano, na moral muita gente quer ser idealista e não sabe nem o significado disto.
    Acrescentando aqui também uma das clássicas do Emicida que diz mais ou menos assim” Tem que saber usar os meios sem deixar os meios usar nois”.
    Quer recado mais claro que este? Os meios são o caminho cruzado entre o fundo do poço e o fim do arco-iris tem que saber usar, e a maioria dos rappers estão sabendo usar muito bem.
    Todo sucesso traz vaidade como dizia o mestre, então cabe a nós apreciarmos esta arte como bem disse o Eduardo do Facção,
    precisamos ver aonde e como está chegando esta mensagem, se a voz da favela não falar com a favela, os playboys falaram no lugar e corroer
    a mente dos nossos. Não é para isto que o existe a cena do RAP. O RAP é mais e sua evolução é algo explícito.
    Queremos ver o que o RAP pode fazer, afinal o RAP é quem o vive, somos nós.

    Parabéns ao vaiserrimando por mais uma matéria mil grau.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*