Capa do EP Êta Porra! - Amiri

Êta, porra! Tá aí uma expressão que o RAP Brasileiro vai ter que se acostumar. Aí cê pergunta: mas o que ele tem pra chamar tanta atenção em tão pouco tempo? Todo mundo vai dizer que é o flow um dos principais destaques do rapper, mas também não podemos esquecer que flow não faz diferença se não tiver conteúdo.

Em 10 faixas, Amiri fala desde cultura africana até referências pop. O rapper transforma tudo em rima e, como um bom frequentador das batalhas, não perde a oportunidade de fazer brincadeiras e tirar um sarro. Aliás, na música “Rima do Angolano“, ele atua como um Angolano, com sotaque diferenciado e tudo, pra zoar a si mesmo!

E ele não para por aí. Amiri já começa a EP em um grupo de ajuda para pessoas com dupla personalidade. O rapper se diz dividido entre Amiri e David (seu nome de nascimento), mas no final parece que Amiri leva a melhor. Os fãs de RAP agradecem!

Sem perder a irreverência, ele se apresenta de forma mais concreta na “A o que?“. Após uma confusão com a pronúncia do seu nome, Amiri o enuncia letra a letra no refrão do som. A música também fala um pouco mais do seu estilo de rima, da sua vida e do que vê.

Amiri

Nessa de falar um pouco mais sobre si mesmo, Amiri conta com um refrão foda da Drik, em “À manhã (hoje)“. Mesmo que a música tenha um tom mais emocional e um ritmo um pouco mais calmo, o flow diferenciado se mantém forte. A música é inspiracional e fala um pouco mais da simplicidade da viver, das coisas boas da vida. Ainda em parceria da Drik no refrão, Amiri mostra seu leque de habilidades ao apresentar um RAP mais romântico em “Precisamente é isso“.

A ecleticidade continua em “Deixa bater no coração“. Nela, Amiri rima em cima de vários batuques, uma parada mais Africana, pra falar de música e do sentimento em fazê-la.

E se Amiri produz a maioria das batidas utilizadas na EP, não é segredo algum que duas delas são gringas. Em “Insônia“, o rapper destrói tudo utilizando um mix: um pouco de “Black and yellow“, do Wiz Khalifa, e o som “Despicable me“, do Eminem, que já foi feito em cima das batidas de “Over“, do Drake, e “Beamer, Benz or Bentley“, do Lloyd Banks.

A influência do rapper de Detroit vai além. Além de ambos terem um flow diferenciado e a facilidade com as “sílabas/rimas compostas”, que é, de forma simplificada, quando o rapper divide a pronúncia da palavra em sílabas pra conseguir uma entonação diferente e assim encaixar a rima, Amiri também canta “Mulher da vida” no mesmo estilão da “Won’t back down“, do Eminem com a P!nk.

Aliás, falei dessa influência no post sobre o clipe “#DáUmRTaí“, do coletivo Som Sujo, e o próprio Amiri comentou, dizendo o seguinte: “tem influência de Eminem em mim quanto MC sim isso é nítido, tá aí um pouco em evidência. Influência, plágio não. Essa influência teve seus lados bons e ruins, seguimos na busca de melhora e cada vez mais autenticidade“.

Tá certo ele! Se for pra ser influenciado por alguém na gringa, o Eminem é uma ótima escolha, não acham?


Pra lançar a EP, Amiri soltou esse som no seu soundcloud, como forma de celebrar o momento. O som fala um pouco do conteúdo do cd e do lançamento que finalmente chegava às mãos do público.

Por fim, você que leu até aqui deve estar se perguntando “cadê a música ‘Êta Porra!‘, cê não vai falar sobre ela?”. Bom, será que ainda tem o que falar? Ficou marcada como clássico. Não só pela qualidade, mas pela autenticidade. Essa vai “perseguir” o Amiri até o final da sua carreira e um pouco mais ainda.

Esse foi só uma EP de apresentação, imagina o que vem pela frente? Vai dar trabalho…

EP “Êta Porra!” – Amiri

01 – O EP Êta Porra! (Intro)
02 – Deixa bater no coração
03 – Rima do Angolano
04 – A o que?
05 – Mulher da vida
06 – Precisamente é isso (part. Drik)
07 – Insônia
08 – Êta Porra!
09 – À manhã (Hoje) (part. Drik)
10 – Licença aqui (Cheguei)

DOWNLOAD OFICIAL

Não perca mais nenhum post!

Qual a sua opinião?

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*